:: Futebol do Norte
 

Colunistas
Polaco na Seleção
por Francisco Dandão



Nenhuma das vinte equipes que disputam a série C do campeonato brasileiro conseguiu botar mais de um jogador na seleção da primeira rodada, de acordo com a avaliação dos jornalistas do site Futebol Interior. Foram onze craques de onze equipes diferentes e mais um técnico de outro time.

Eis a seleção: Genivaldo (Confiança); Léo (Operário), Emerson (Salgueiro), Lucão (Cuiabá) e Udson (Tupi); Everton (Botafogo-PB), Polaco (Atlético-AC) e Hiltinho (Cuiabá); Ortigoza (Náutico), Mateus Peixoto (Bragantino) e Marlyson (Joinville). Técnico: Fernando Tonet (Globo).

Naturalmente, para os torcedores acreanos o que conta e interessa de verdade mesmo é a inclusão do meia Polaco entre os doze. O referido atleta cansou e foi substituído na metade do segundo tempo. Mas enquanto esteve em campo ele foi sim “o cara” do jogo, infernizando a zaga do Remo.

No site, constam os motivos para a escolha do citado jogador. “Polaco foi um dos pontos altos da vitória do Atlético Acreano para cima do Remo por 1 a 0 na estreia da série C do Brasileiro. O jogador criou as principais jogadas ofensivas do time da casa e ainda ajudou o sistema defensivo (...)”.

Eu, que assisti ao jogo à distância, em tempo real, pela janelinha mágica da televisão (felizmente a aldeia global deixou de ser uma teoria dos anos de 1960 e nos permite essa interação, onde quer que a gente esteja), concordo em número, gênero e grau com a turma do Futebol Interior.

Mas, para ser justo, apesar da bola insinuante e profícua do Polaco, tenho que ressaltar a participação decisiva de outros jogadores do Atlético nessa primeira batalha na série C de 2018. Casos dos atacantes Eduardo, Rafael Barros e Neto. E caso muito específico do bom goleiro Ruan.

O Eduardo, só pelo posicionamento perfeito dentro da área no momento do arremate final para o gol já seria digno de todos os elogios. Ele, porém, no meu entender, foi mais do que isso, proporcionando pânico na retaguarda remista, de forma incessante, todas as vezes que pegava na bola.

Quanto ao Rafael Barros e ao Neto, a movimentação constante, aparecendo e desaparecendo em seguida dos mais diversos setores do campo de jogo, mesmo sem protagonizar situações mais agudas de gol, pra mim eles foram vitais para confundir os zagueiros adversários. E o Ruan pegou tudo!

Enfim, o Atlético largou muito bem na série C e o Polaco “pegou” a seleção da rodada. No próximo fim de semana, o time vai a Recife, medir forças com o tradicionalíssimo Santa Cruz, que apenas empatou na primeira partida. A Série C não tem refresco. É só pedreira. Uma depois da outra!

 
© Copyright 2004 - 2018 / Todos os direitos reservados a Futebol do Norte