Colunistas
Neto, o artilheiro
por Francisco Dandão



Faltando uma rodada para o fim da primeira fase do Campeonato Brasileiro da Série C deste ano, um acreano encabeça a lista de artilheiros da competição. Falo de Neto Pessoa, atacante nascido em Rio Branco, jogador do gaúcho Ypiranga e que até o presente momento já marcou nove gols.

Neto Pessoa, é verdade, não é o artilheiro isolado do torneio. Willian Lira, do Ferroviário-CE, também marcou nove gols. Mas enquanto o jogador do clube cearense só tem mais um jogo a cumprir, o time do atacante acreano, que hoje está em segundo lugar no seu grupo, tem boas chances de avançar.

Independentemente de qualquer coisa, porém, o que me interessa nessa conversa de hoje é relembrar a trajetória do Neto, que começou na base do Plácido de Castro, em 2012, aos 18 anos (ele nasceu no dia 16 de maio de 1994). E no ano seguinte já estava no elenco profissional do time placidiano.

Por um desses acasos do destino, eu fui uma das poucas testemunhas a ver os primeiros passos do Neto Pessoa na base do Plácido. E lembro que me chamou atenção o jeito como ele se portava em campo. Tanto que comentei com outra testemunha que ali estava um belo projeto de craque.

Naturalmente, que eu não sou profeta nem nada, muitos enxergaram a mesma coisa no futebol do jovem Neto. E logo o Plácido ficou pequeno, iniciando-se para ele uma intensa troca de camisas, em nível local, entre as quais as de Rio Branco, Andirá, Amax (time da cidade de Xapuri) e Atlético.

Fora do Acre, Neto teve uma primeira experiência em 2016, quando passou um período no Nacional de Muriaé-MG, que disputava o Módulo 2 do Campeonato Mineiro. Não se pode dizer que foi uma experiência tão satisfatória. Neto jogou pouco e acabou fazendo o caminho de volta pra casa.

Aí, como Deus costuma ajudar a quem se esforça, eis que o futebol do atacante emergiu com força na Série C de 2018, em defesa das cores do Atlético Acreano. O ataque do Galo, formado por Neto, Rafael Barros e Eduardo, fez misérias com as defesas adversárias. Três caras de ótimo nível!

Quando chegou 2019, Neto tratou de ganhar o mundo, jogando no primeiro semestre pelo potiguar ABC e na segunda metade do ano pelo pernambucano Náutico. Pode-se dizer que mandou bem em ambos os clubes. No Náutico, inclusive, ajudou a levantar o título do brasileirão da Série C.

Agora, no Ypiranga-RS, aos 26 anos, provavelmente Neto viva a sua melhor fase. Talvez até muito próximo de concretizar os sonhos que um dia, quando o entrevistei, ele me confessou: jogar num time de Série A e se transferir para um clube fora do país. Que assim seja, se assim tiver que ser!

 


© Copyright 2004 - 2021 / Todos os direitos reservados ao Futebol do Norte