Notícias
Ex-goleiro impressiona ao virar fisiculturista de ponta
Bastidores
19.06.2019 - 12:19 - Amazonas
Foto: Divulgação/Higor Fernandes

O antigo ditado diz que quando a vida fecha uma porta, ela abre uma janela. E às vezes essa janela dá para uma vista para o mar. Pelo menos foi assim com o ex-goleiro Nelsinho, que encerrou uma carreira de menos de 10 anos no futebol por causa de uma lesão e acabou um verdadeiro prodígio no fisiculturismo. Isso mesmo, fisiculturismo.

Nelsinho é natural de Rondônia, mas fez sua carreira no futebol toda em Manaus, jogando no Rio Negro, Operário, Manaus, Cliper, Holanda, Iranduba e São Raimundo, onde acabou encerrando sua trajetória na modalidade só aos 28 anos, em 2018, após uma lesão no metacarpo, que basicamente é o conjunto de ossos que ficam entre o punho e a palma da mão.

Como o caso era cirúrgico e Nelsinho tem quase 30 anos, a lesão acabou abreviando sua carreira. Ele continuou no futebol, trabalhando como preparador de goleiros em outros clubes, mas acabou se apaixonando, através de um amigo, pelo fisiculturismo.

O Campeonato Amazonense da modalidade este ano era para ser apenas uma experiência, mas o terceiro lugar na categoria muscular physique acima de 1,65m. A vitória rendeu uma vaga no Campeonato Brasileiro, que acontecerá entre os dias 1º e 4 de agosto, em Limeira, no interior de São Paulo.

- Foi a minha estreia. Eu estava me preparando desde janeiro e a expectativa era ser top 6, mas o nosso trabalho duro foi recompensado e eu fiquei no top 3. Foi uma surpresa, porque estava concorrendo com atletas bem mais experientes e o resultado acabou sendo muito positivo - disse.

Nelsinho revela que não há comparação entre as preparações da cada modalidade. Enquanto o futebol exige pouco da parte física antes das partidas, no fisiculturismo as horas que antecedem a subida no palco são muito semelhantes a de um lutador de MMA, com um corte de peso brutal, cujo objetivo é baixar ao máximo o percentual de gordura, o que é um baita sacrifício, mas também tem suas vantagens.

- A hora de perder peso é a de maior sofrimento. A gente tem que ficar quase 24 horas em água, por conta da retenção de líquidos e a meta é baixar o percentual de gordura o máximo de der, ficar com a pele colada, como dizem, numa preparação que é muito parecida com a de lutadores. A diferença é que enquanto eles focam no carboidrato após a pesagem, nós vamos no sódio, e aí a gente come pizza, batatinha, essas coisas. Essa é a parte boa - conta.

O próximo passo

O ex-goleiro revela também que um dos pontos negativos da modalidade é o alto custo na preparação.

Com apoio da família, mais precisamente de sua esposa, a personal trainer Rama Ana, as coisas ficaram um pouco mais fáceis, principalmente no que diz respeito à dieta, bastante rigorosa no período pré-competição. Para participar do Brasileiro, em agosto, ele precisa de patrocínio.

- A preocupação é grande, pois a competição é daqui a menos de dois meses e estamos correndo atrás de um patrocínio para custear as passagens. Mas enquanto não conseguimos, vou seguir focado trabalhando. Estudamos os concorrentes que vamos ter lá e agora estou melhorando meus pontos fracos para chegar bem, acreditando que vamos conseguir - completou.

Foto: Divulgação/Higor Fernandes
Fonte: Globoesporte.com
 


© Copyright 2004 - 2019 / Todos os direitos reservados a Futebol do Norte